Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 8.jpg
  • 7.jpg
  • 4.jpg
  • 10.jpg
  • 3.jpg
  • 1.jpg
  • 5.jpg
  • 9.jpg
  • 2.jpg
  • 6.jpg


Definida por alguns como “o ferro-velho de pesticidas do mundo”, a América Latina é uma região considerada perigosa para crianças em áreas rurais, pois os agrotóxicos impactam seus corpos. Como eles vivem? Um ensaio da Argentina, Brasil e Paraguai realizado por Bocado.

" Tudo. Mandioca, milho... Mas também nossas galinhas, nossos porcos, até vacas. Tudo morre ”, diz Rosa Britez, vizinha de San Pedro, em Capiibary, uma cidade rural a 500 quilômetros de Assunção, capital do Paraguai. Rosa tem 34 anos, três filhos -10, 8 e 5 anos- e um hábito: trancar-se com eles em sua casinha de madeira toda vez que fumegam no campo vizinho, plantado com soja, e fica o ar irrespirável.


Rosa usa batom rosa e tem um sorriso fácil, só que não é tão perceptível hoje. Ele não sorri, na verdade. Seu avô, um camponês como ela, acaba de morrer e “agora estamos com o nono. Entre orações, por sua alma ”.


O Paraguai, país de Rosa, é o mais católico da América Latina (90% dos adultos se declaram como tal), mas também ocupa o primeiro lugar em algumas classificações um tanto mais tristes. Por exemplo, o primeiro país do mundo condenado pelo Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) por morte por agrotóxicos.

Não de uma morte: de uma pessoa morta. Um homem morto jovem e saudável. Uma bela camponesa morta como Rosa.

 

Colonia Unión Agrícola no Paraguai Bocado
Aquele menino de 26 anos que rendeu ao Paraguai uma condenação internacional em 2019 foi Rubén Portillo Cáceres. Morreu no dia 6 de janeiro de 2011 no lugar chamado Colonia Yerutí mas que poderia facilmente ter outro nome porque na América Toxina o nome é sempre o mesmo: horizonte idêntico de soja, milharal ou algodão, dependendo da época, fumigado por ar e por terra com substâncias que - como bifentrina, clorpirifós, paraquat ou atrazina - são proibidas nos países que os fabricam e exportam para o ferro-velho mundial de pesticidas. Eles são enviados para a América Toxina e Paraguai, um raio-X vivo deste desastre em curso.

Um país totalmente voltado para a produção de commodities (soja, milho, algodão) que, ao mesmo tempo que exporta os grãos cultivados cheios de agrotóxicos, tem que importar o que come. O motivo: 94% das terras cultiváveis ​​são dedicadas a commodities , então 7 em cada 10 alimentos vêm do exterior. E esse modesto território destinado à produção para consumo humano está cada vez menor. Segundo dados do Com a soja no pescoço 2020 - Relatório do agronegócio do Paraguai , elaborado pela ONG BASEIS - entre 2018 e 2019 a área dedicada à agricultura familiar e camponesa cresceu apenas 194 hectares. Já o agronegócio somou 108 mil hectares.


Em Colonia Yerutí, cidade onde viveu e morreu Rubén Cáceres, é plantada a soja transgênica, cuja safra o Paraguai, apesar de seu tamanho limitado, é o sétimo maior produtor do mundo, competindo com gigantes da soja como Estados Unidos, Brasil ou Argentina. Com apenas 7 milhões de habitantes, este pequeno país do sul é um gigante exportador de commodities . É, por exemplo, o quarto produtor mundial de milho transgênico, resistente a diversos agrotóxicos e capaz de envenenar os insetos que tentam comê-lo. E tudo isso, é claro, não é de graça. Não pelo menos para gente como Rosa ou Rubén. Não para quem resiste ao avanço desse mar verde dólar sozinho e em campo aberto.

Até recentemente, em Colonia Yerutí, departamento de Canindeyú, existiam todas as fazendas que produziam milho, mandioca e amendoim, além de alguns estabelecimentos pecuários. Hasta que a fines de los noventa llegó la primera soja transgénica –la tristemente célebre Round Up Ready o RR1, diseñada por la empresa Monsanto para sobrevivir a las fumigaciones con glifosato, también patentado por esa compañía- y la vida de Rubén y tantos otros cambió para sempre. O menino morava com a família em uma casa ao lado da Estância Cóndor SA, uma fazenda dedicada ao cultivo de biotecnologia.

As galinhas morreram primeiro, entre espasmos. Mais tarde, Rubén morreu, entre vômitos e diarréia. Por três anos, o estado paraguaio ignorou a reclamação de sua família, que acabou chegando a tribunais internacionais que concordaram com ele. Houve uma sanção para o Paraguai, mas no final das contas ainda era uma formalidade. Hoje, os responsáveis ​​por essa morte ainda estão em liberdade. E essa impunidade, no Paraguai, as pessoas resumem com uma palavra em guarani: “opareí”.

“Significa que nada aconteceu, que tudo estava pela metade”, traduz Rosa. Seu mundinho em San Pedro, cheio de milho queimado, laranjeiras que secam de cima e enormes vermes verdes que fogem do campo fumigado e se refugiam no cultivo de Rosa bem poderia ser chamado de Villa Opareí. A terra da justiça ausente.

Afogando-se fora da água
Ela sabe de cor como é denunciar e denunciar abusos sem que nada aconteça. Ou sim: a soja está cada vez mais perto e por isso é cada vez mais difícil escapar.

Ele explica: “ Aqui na fazenda produzimos o que vamos comer e vender também. Mas na frente da nossa casa tem uma grande plantação de soja e muitas vezes, quando passam secando ou algum fungicida forte causam alergias, irritações na pele e nos olhos, principalmente em crianças. A água que bebemos causa diarreia e muitas vezes cheira a veneno. Os peixinhos no riacho não existem mais. Eles não existem mais, não existem mais. Muitas vezes, até nossos animais morrem. Nossa galinha, nossos porcos, vacas ... Desta vez tivemos muitas mortes de vacas e não sabemos de quê. Quer dizer: nós sabemos o que é, mas não temos como justificar, certo? Não temos como investigar porque somos pobres.

“É preciso sair da fazenda, ir para o centro, chegar a Assunção, procurar quem possa ajudar vocês, advogados ... E isso custa caro. Por isso muitas vezes é permitido que aconteça porque a gente não tem jeito lá não há recursos para nos defendermos. Nada acontece, tudo está a caminho ou, como dizemos, opareí ”.

Porém, as comunidades camponesas paraguaias se unem para enfrentar o agronegócio e desde 1993 a Organização de Luta pela Terra (OLT) reúne, assessora e defende os camponeses. Nicolás Maidana é membro dessa organização, além de professor escolar, e da Colonia Unión Agrícola - assentamento de 150 famílias camponesas do departamento de Caazapá, uma das mais pobres do país - explica que eles, como Rosa, não usar agroquímicos também.

"Usamos coisas naturais, porque produzimos alimentos . " Então chame o enxofre, os ramos macerados do paraíso. “Todas as coisas naturais”, insiste, e explica que de vez em quando organiza treinamentos em agroecologia com outros camponeses que estão na mesma luta pela terra, mas também pela saúde.

Em seguida, ele conta o caso de V, uma menina de sua comunidade. V não anda, mas sorri de sua cadeira de rodas. Seu povo não sabe o que ele tem porque ninguém explica muito a eles. “A família dela vem de uma área onde eram usados ​​muitos agrotóxicos e ela já nasceu assim. Por isso vieram aqui ”, explica Nicolás.

“Aqui nas zonas de soja existem muitos abortos espontâneos. As pessoas os chamam de “anjinhos” e os enterram pela casa onde ocorreu o caso ”, diz Augusto Acuña, também membro da OLT, técnico em agroecologia e camponês referência. “Mas não há queixas porque as pessoas têm medo. Os produtores de soja, principalmente brasileiros, são muito violentos. Não respeitam nenhuma lei ambiental e diariamente se intoxicam pessoas, principalmente meninos e meninas em idade escolar, que também passam pela soja sem barreiras no caminho para a escola ”.

Havia também um anjinho na família Britez. Um anjo, na verdade: Carina Nuñez, prima de Rosa. A última foto tirada da amostra conectada a um respirador.

“ Ela morava na ex-Colônia Laterza Cue, em Caaguazú. Existem empresas transnacionais que cultivam milho e soja. É onde morava meu primo. Seus pais ainda estão lá. A empresa garantiu que ela pudesse ir ao médico todos os meses para fazer a quimioterapia. Eles ofereceram um veículo para levá-la e dinheiro para comprar seu remédio. Porque a empresa sabe do que ela adoeceu. E ele sabe que se houvesse uma reclamação e uma boa investigação, eles gastariam mais. Aí eles ajudaram assim, aos poucos, oferecendo pouco dinheiro para eles não reclamarem.

“Hoje pergunto ao meu tio por que ele não fez a reclamação e ele me pergunta:“ E por que, se eu precisava de dinheiro para minha filha levar ela ao médico? Não tive tempo de ficar reclamando. ”Os médicos querem. dão o diagnóstico. Os médicos não passam os exames para os parentes. Eles tratam apenas a leucemia. Nem deram para tirar fotos dos exames até ela não poder mais. E ela morreu. E ficou assim. Opareí "

Entre 1991 e 2018, segundo Agrotóxicos en América Latina: Violações do direito à alimentação e nutrição adequada , relatório 2020 da Food First International Action Network (FIAN), mais de 100.000 famílias de camponeses paraguaios abandonaram suas terras e 300.000 hectares de selva e florestas foram arrasadas para o agronegócio. Nesse contexto, pessoas como Rosa, Rubén ou Carina não entram na equação. Ou, se o fizerem, é apenas quando adoecem ou morrem devido à taxa infernal do uso de pesticidas. Só uma informação: entre 2011 e 2013, o Paraguai quadruplicou a importação de agrotóxicos, de 8,8 para 32,4 milhões de litros.

Há mais de uma década, a pediatra Stela Benitez Leite - médica, professora de pediatria clínica da Pontifícia Universidade Católica e definitivamente o sorriso mais radiante do Hospital Infantil de Assunção - investiga o impacto dos agrotóxicos em crianças e neonatos. Tudo começou em 2007, com um estudo que mostrou a correlação entre exposições a agrotóxicos de mulheres grávidas e o nascimento de bebês com malformações congênitas. Uma década depois e com a ajuda do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia (CONACYT) conseguiu colocar imagens e dados sobre os danos.


Stela Benítez Leite da Universidade Católica do Paraguai Bocado
Investigando o DNA de crianças entre cinco e dez anos da cidade rural de San Juan, em Canindeyú, ele constatou que quase metade (45,9%) apresentava danos genéticos, algo que não acontecia com os filhos de Sargento Báez, município livre de fumigação e usado como um controle. O médico esclarece que “não há investigações oficiais sobre o assunto e não temos informações específicas sobre essas situações, mas temos depoimentos de camponeses atingidos que não receberam tratamento adequado”. Como no Chaco, na Argentina, as vítimas das fumigações são tratadas com antialérgicos, antigripais ou como se sofressem de asma, apagando assim a relação entre meio ambiente e estado de saúde.

Precisamente por isso os resultados do trabalho científico liderado por Benitez-Leite caíram como uma bomba no sojal: era a primeira vez oficialmente - o rasto do veneno podia ser visto do outro lado do microscópio, sobrevoando o futuro de todos aqueles galera. Porque esse dano pode acabar gerando desde abortos espontâneos até a doença de Parkinson, afetar o neurodesenvolvimento ou causar malformações. “São três gerações afetadas”, diz o médico.

“ Quando os resultados começaram a ser divulgados pela mídia, eles visavam desqualificar o trabalho e o que os dados revelavam: a evidência de dano genético no grupo de crianças expostas a agrotóxicos”. A mesma coisa que, de fato, acontece com os fetos cujas mães vivem em áreas fumigadas. Aquilo que Benitez Leite começou a estudar há uma década e mostra dados preocupantes. “ Hoje em nosso país as malformações congênitas são a segunda causa de mortalidade neonatal, quando antes ocupavam o quinto lugar”, explica. Opareí, diria Rosa, sob seu sol tremendo.

Guerra por dentro
No Brasil existe um bot chamado Robotox que tweeta toda vez que o governo aprova um novo pesticida . Em 2019 não twittou dez ou cem vezes: fez 474. Hoje no Brasil do presidente Bolsonaro são 3.231 agrotóxicos aprovados e ali se repete - só em escala faraônica - a mesma coisa que se vê por aí.


Todo o sul do continente é uma terra de sacrifício, um animal aberto do qual grãos, minerais e combustíveis são extraídos para o resto do mundo. Em troca, chegam mercadorias, mas sobretudo males, na forma de milhões de toneladas de agrotóxicos que saem da Europa para continuar alimentando a máquina venenosa.

Em Pernambuco, em meio àquela paisagem que João Cabral de Melo Neto preparou para sua morte e severidade , vive hoje Geovanni Leão, integrante da Comissão Pastoral da Terra e ativista pelos direitos dos camponeses e camponeses daquele país. norte onde hoje estão aqueles que habitam e trabalham a terra há gerações e aqueles que vêem nesta paisagem apenas um primeiro passo em direção à fortuna.

Os tiros soam aqui. Aqui a polícia é o braço executor das empresas agrícolas, uma das quais - a Mata Sul - controla cerca de 5 mil hectares onde vive mais da metade da população do município da Jaqueira. Também aqui os agrotóxicos - que gozam de benefícios fiscais e estão isentos do pagamento do Imposto sobre Produtos Industrializados - voltam a ser o que sempre foram: armas de guerra, formas perversas de persuasão. “Porque se queimam as plantações, morrem animais e adoecem crianças, quem vai querer ficar, ah? Ninguém ” , pergunta e responde Geovanni. E diz que em 2019 “a empresa mandou destruir uma plantação de banana e puseram veneno na plantação destruída para que não voltasse a crescer”

Mas eles não ficaram satisfeitos e no dia 7 de abril de 2020, em meio à pandemia, voltaram ao ataque. Naquele dia, “a empresa alugou um helicóptero que pulverizou agrotóxicos nas comunidades de Fervedouro e Barro Branco. Essa fumigação afetou as lavouras e os próprios agricultores, obrigando-os a abandonar suas propriedades porque também poluíam as águas ”. E, como estavam em uma pandemia e com restrições de tráfego, não puderam ir ao hospital e tiveram que suportar afogamentos e reações alérgicas com remédios caseiros.

O vídeo, filmado por vizinhos com seus próprios celulares, confirma o que Geovanni conta: um helicóptero sobrevoa casas e plantações, arrastando a nuvem venenosa como se fosse o rabo de uma noiva. Mas aqui nenhuma soja ou algodão é cultivado. Aqui tem vacas e cana-de-açúcar, e muita vontade de arrancar as pessoas de suas terras.

Água: segundo relato, há algum tempo a empresa Agropecuaria Mata Sul cercou a fonte onde os fazendeiros iam buscar água com uma cerca de arame. A ideia? Expulsá-los dos campos onde sempre viveram mas que desde 2017 foram alugados pelas autoridades àquela empresa, com eles e eles no interior.

“Meninos e meninas sofrem consequências principalmente psicológicas porque vivem como meninos da cidade: dentro de suas casas. Não podem sair para brincar, não podem correr, não podem comer frutas, não podem fazer nada ”, explica Leão. Algumas crianças viram seus pais levá-los embora pela polícia e todas têm muito medo dos uniformizados.


Jaqueira em Pernambuco ao norte do Brasil Bocado
Estão bem: dois camponeses foram espancados, doze sofreram ameaças de morte e um deles - Edeilson Alexandres Fernandes da Silva - foi emboscado e atacado. Eles o acertaram com sete tiros. Sobreviveu. A mídia local -uma, uma mídia local- fala em “listas da morte”, de pessoas reconhecidas pelo agronegócio como inimigas e marcadas para morrer. Entre eles, várias lideranças e famílias assentadas na área da antiga Usina Caneca, um terreno de 5 mil hectares onde vivem seis comunidades camponesas obrigadas a enfrentar não só os sojicultores e “reis do gado”, mas também as autoridades que eles cerram fileiras com os poderosos em serviço.

Para Leonardo Melgarejo - pesquisador, membro da Sociedade Brasileira de Agroecologia, membro da União dos Cientistas Comprometidos com a Sociedade e a Natureza da América Latina (UCCSNAL) e chefe do estudo FIAN 2020 - o que acontece em Pernambuco o impactou, mas não o surpreende ele porque ele vê neste mais um cartão postal de uma democracia totalmente capturada pelas corporações. E dá um exemplo: “ A Agência Nacional de Vigilância Sanitária, ANVISA, alterou a forma de classificar a toxicidade dos agrotóxicos. Passou a priorizar as intoxicações agudas com risco de morte, e graças a isso muitos agrotóxicos concordaram com uma "redução" em seu nível de risco.

“A maioria dos novos agrotóxicos autorizados são produtos antigos, alguns com limitações de uso em outras regiões do planeta. Na América Latina os produtos proibidos são vendidos em outras regiões, o que os torna mais baratos. Isso está sendo interpretado como 'Benéfico' para o agronegócio de países pouco preocupados com o impacto desses agrotóxicos na saúde humana e ambiental. Mas os desastres ambientais devem levar à mudança de nossos governantes. A população vai exigir isso, em defesa da vida e da soberania dos povos, em toda a América Latina ”.

Já na Jaqueira, onde vive Geovanni, quem defende a vida e a soberania são mulheres e homens que resistem a ameaças, espancamentos e prisão.

Crianças, que também são as mais atingidas por um sistema de envenenamento que - para esconder os estragos - esconde as vítimas. Assim, segundo dados apresentados pela pesquisadora Larissa Bombardi, geógrafa e professora da Universidade de São Paulo, para cada caso de intoxicação registrado pelo sistema de saúde existem outros 50 que não são registrados. Com isso, o número oficial de bebês entre 0 e um ano intoxicados por agrotóxicos no Brasil entre 2010 e 2019 passa dos 500 cadastrados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para os mais de 25 mil citados pela Bombardi.

Para ela, em nossa região “as pessoas vivem uma relação que não é de assimetria, mas de um abismo abismal entre a realidade da América Latina e a realidade dos países com economias fortes. E isso é algo intolerável. Devemos caminhar na direção da regulação internacional e como Humanidade devemos pensar na superação desse modelo ”.

A outra primavera silenciosa
Na Argentina, a chegada da primavera coincide com a época em que milhões de hectares são fumigados para "limpar" os lotes que receberão milhões de soja que pagam patente, resistem cada vez mais aos venenos e cujos grãos são exportados tanto para a China quanto para a elegante Europa, que só em 2018 exportou 6.842 para a América do Sul. 542 litros de agrotóxicos que fabrica, mas proíbe o uso em seu próprio território. De facto - com excepção de Espanha e Portugal - também não planta OGM, embora aceite de bom grado que o Mercosul semeie uma área equivalente à da França com soja transgénica e cujo custo humano e ambiental foi pago por terceiros. E outras, como Estela Lemes, professora rural da província de Entre Ríos que ainda carrega o que o veneno lhe fez: ela cai, fica difícil coordenar alguns movimentos,

Bartolito Mitre, professor de uma escola rural 44, há décadas denuncia as fumigações nela e nos filhos.

Foi só em 2021 que um tribunal do trabalho ouviu sua reclamação e obrigou sua empresa de saúde a pagar pelo tratamento de que ela precisava e o estado a indenizá-la pelos danos.

“Hoje, os dois campos que fazem fronteira com a escola, depois das reclamações, têm uma campina e colocam animais. Mas os que estão perto da escola continuam, continuam a pulverizar. O agrônomo chega e me avisa que vai pulverizar no dia seguinte, que é sábado. Em seguida, ele me apresenta a receita agronômica e a licença da polícia. Mas não sou eu que fico olhando e também que não tem criança na escola porque é sábado não quer dizer nada. Como se chega a deriva e tem gente morando no entorno, em um bairro. Então, eles não borrifam as crianças na escola, mas sim em casa ”, protesta.

Na transgênica Argentina, que é - atrás dos Estados Unidos e do Brasil - o terceiro maior produtor de soja do mundo, os professores rurais expostos a fumigações sofrem danos à saúde que ninguém parece ter previsto e pelos quais ninguém parece estar disposto para pagar também. Mas, o que acontece então com todos esses meninos e meninas expostos às fumigações durante os quatorze anos que a escolaridade obrigatória cobre neste país?

A Dra. María del Carmen Seveso - médica intensivista, integrante da Rede Popular de Saúde Ramón Carrillo e defensora do direito à saúde dos povos fumigados - é clara: “ Esses produtos são venenos. Vamos. E como as crianças têm, por uma questão de desenvolvimento, menos enzimas hepáticas, que metabolizam todas essas toxinas, elas são mais frágeis. Mas, além disso, eles têm meninges menos desenvolvidas e o veneno afeta diretamente seu sistema nervoso central. Tanto o feto quanto a criança pequena são os que mais sofrem danos devido à imaturidade de seu sistema de defesa. São organismos que estão se desenvolvendo e por isso mesmo estão mais vulneráveis ​​”.


Alunos da Escola Rural 11 em San Antonio de Areco, na Província de Buenos Aires. Morder
Ana Zabaloy, professora rural da zona de Areco, lutou durante anos em defesa dos seus alunos, rapazes e raparigas que - como Rosa Britez - também teve de encerrar na sala de aula quando os campos vizinhos foram fumigados por via aérea e terrestre.

Ana, psicopedagoga e diretora da Escola Rural 11, foi fumigada em mais de uma ocasião e levou choque de 2 a 4 D no rosto. Para proteger seus alunos, ela fez de tudo e mais: conseguiu testemunhas, fez denúncias, pediu ajuda cientistas a analisar a água que os meninos beberam, obtiveram proteção legal, deu palestras e disse a todos que podia que tudo em sua escolinha gotejava pesticidas. Que os meninos estavam tão acostumados ao veneno que no campo, junto com as vacas e os engenhos, desenhavam os aviões como se fossem parte da paisagem.

Por isso Ana ajudou a redigir uma lei (Portaria 4226/17, que proíbe a fumigação aérea na área) e explicou em uma única frase porque meninos e meninas rurais deveriam ser especialmente protegidos: “porque escola pública rural é um pedacinho de estado . Uma ilha no meio do nada para lembrar a essas crianças que são súditos de direitos ”.

Hoje, exatamente hoje, é o segundo aniversário de sua morte. Ele morreu de câncer. E de opareí.

 Fonte: https://www.eldiarioar.com/sociedad/medio-ambiente/infancias-america-latina-crecer-agronegocio_1_8389331.amp.html?__twitter_impression=true