Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 8.jpg
  • 4.jpg
  • 2.jpg
  • 1.jpg
  • 6.jpg
  • 7.jpg
  • 5.jpg
  • 9.jpg
  • 10.jpg
  • 3.jpg

Cerca de sete mil pessoas se mobilizaram nesta terça-feira (21) em frente à sede da governadoria do Rio Grande do Norte (RN), no nordeste do Brasil, para a realização do ato "Grito da Seca”. A manifestação, que inicialmente aconteceria na BR-101, reúne diversas organizações populares e movimentos camponeses integrantes do Fórum do Campo para reivindicar políticas de enfrentamento à seca na região do semiárido potiguar.

 

O movimento #RevoltadoBusão, que nos últimos dias saiu às ruas para protestar contra o aumento da passagem de ônibus na capital do estado, Natal, também se uniu à causa do campo.

 

Com o anúncio do ato "Grito da Seca” programado para esta terça-feira, o juiz federal Magnus Delgado, atendendo ao pedido do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros do Município de Natal (Seturn), proibiu a ocupação da BR-101, onde as manifestações por políticas para o campo e contra o aumento da passagem de ônibus ocorreriam. No entanto, a decisão não impediu os movimentos de marcharem às margens da BR até a governadoria do estado para apresentar suas demandas.

 

De acordo com Tárzia Medeiros, integrante da coordenação do Grito da Seca em Natal e da coordenação estadual da Asa [Articulação do Semiárido] Potiguar, os/as manifestantes conseguiram marcar uma audiência com a governadora do estado, Rosalba Ciarlini, nesta tarde, para apresentar seus reclamos e sugestões de políticas para a melhoria da região que sofre com os efeitos prolongados da estiagem que assola o nordeste brasileiro.

 

Segundo Tárzia, a principal demanda é por investimento na infraestrutura de acesso à água. "Protestamos contra as políticas que alimentam a indústria da seca, como é o caso do caminhão-pipa, que tem mais função política de troca de favores. Isso não resolve o problema da seca, mas a perfuração de poços resolve, a construção de adutoras de água também resolve”, enfatizou.

 

Além disso, também reclamam da falta de assistência técnica para os assentamentos rurais e acampamentos para a produção de alimentos. Ela criticou o investimento com cerca de 90% de verbas do governo do estado com as obras do estádio Arena das Dunas para sediar alguns jogos da Copa do Mundo de 2014, enquanto a população sofre com as consequências da seca, em uma região que já é naturalmente escassa de água.

 

Protestos em Natal

No último sábado (18), o aumento da passagem de ônibus na cidade (de R$2,20 para R$ 2,40) revoltou a população e estudantes que decidiram sair às ruas para protestar contra o reajuste. De acordo com Tárzia Medeiros, o preço da passagem de ônibus em Natal é o mais alto do Brasil, considerando a quilometragem e as distâncias percorridas na cidade que é uma das menores do país.

 

Para protestar contra a medida, estudantes organizados no movimento #RevoltadoBusão realizaram ontem (20) um ‘roletaço’, ou seja, o ato de entrar e usar o ônibus sem pagar. Dias antes, milhares de pessoas se manifestaram nas ruas de Natal contra os serviços precários de transporte público, mas foram fortemente reprimidas pela polícia.

 

 

Fonte: Adital