Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

35,5 toneladas de alimentos foram distribuídas por comunidades camponesas apoiadas pela CPT nos estados de Alagoas, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte

Se, por um lado, o ano de 2020 foi atípico em razão da pandemia da Covid-19, que impôs uma realidade ainda mais dura para populações vulneráveis, especialmente aos setores oprimidos; por outro, foi marcado pela solidariedade de classe. Seguindo esse sentimento de zelo pela vida, uma série de ações solidárias foi realizada por comunidades camponesas e pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) nos estados de Alagoas, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte durante o mês de dezembro. 

Estima-se que cerca de 35,5 toneladas de alimentos foram distribuídas através de aproximadamente 3.250 cestas camponesas. A iniciativa deu continuidade às ações de solidariedade realizadas ao longo do ano por meio da campanha “Repartir a terra, partilhar o pão”, em celebração aos 45 anos da Pastoral no país.

A CPT de Alagoas distribuiu 1.235 cestas camponesas em diversas comunidades periféricas da capital e na cidade de Rio Largo. A entrega foi feita em parceria com diferentes instituições religiosas, Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e Movimento de Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos (MTD). A equipe do estado contabilizou que 14.865kg de alimentos foram doados. Os produtos vieram de 34 famílias camponesas da zona da mata e litoral alagoanos: assentamentos Javari e Margarida Alves, em Maragogi, acampamentos Mumbuca, Bota Velha e Santa Cruz, em Murici, assentamento Flor do Bosque, em Messias, acampamento padre André, em União dos Palmares, e assentamentos Jubileu e Quilombo dos Palmares, em São Miguel dos Milagres.

Imagem: CPT Equipe Alagoas - AL

 

Em Pernambuco, na Mata Sul, comunidades em situação de conflito celebraram o Natal com doações de alimentos no dia 22 de dezembro. Envolveram-se na ação solidária as famílias de Batateiras, Barro Branco, Fervedouro, Canoinha e Vista Alegre, localizadas nos municípios de Maraial, Jaqueira, Tamandaré e Palmares. Elas partilharam mais de 10 mil quilos de sua produção.

Imagem: CPT Equipe Mata Sul - PE

Na Mata Norte do estado, mais de 500 famílias foram beneficiadas com a doação de 7 toneladas de alimentos no dia 16 de dezembro, no município de Timbaúba. A entrega contou com a parceria da Paróquia Nossa Senhora das Dores. Os produtos vieram das comunidades Dom Hélder, Mariano Sales e Belo Horizonte, localizadas em Aliança.

Imagem: CPT Equipe Mata Norte - PE

No Pajeú, a entrega dos alimentos aconteceu nos dias 18, 19, 20 e 24. Os alimentos foram produzidos pelos camponeses e camponesas de Ramada, Cachoeira, Varzinha dos quilombolas e Dom Francisco. No dia 23, no agreste, a Cáritas Regional entregou, na presença da CPT, 20 cestas básicas com 60kg de alimentos e materiais de limpeza ao grupo de mulheres artesãs da comunidade Quilombola de Atoleiro, situada no município de Caetés. A produção veio da comunidade Estivas, em Garanhuns.

Imagem: CPT Equipe Pajeú - PE

 

Imagem: Equipe Agreste - PE

Na Paraíba, a CPT da Arquidiocese doou 18 toneladas de alimentos às famílias em situação de fome. Mais de 1.300 famílias receberam as cestas com produtos dos camponeses e camponesas da Ecosul, Ecocap, Acovárzea, Associação dos Orgânicos, grupos de mulheres, entre outras OCS (Organizações de Controle Social). Os alimentos foram doados em associações, pastorais e comunidades em João Pessoa, Alhandra, Itabaiana e Juarez Távora. “Só sendo coisa de Deus! Nós não tínhamos o que comer para estes dias do Natal, muito obrigado gente”, agradeceu Dona Maria, da Comunidade Saturnino de Brito, na capital.

Imagem: CPT Equipe João Pessoa - PB

Na CPT da Diocese de Guarabira, a ação de solidariedade beneficiou100 famílias do bairro Assis Chateaubriand, no dia 22 de dezembro. Elas receberam as cestas que continham, além de frutas, verduras, hortaliças e legumes, alimentos não-perecíveis e materiais de limpeza. A distribuição contou com apoio do grupo da solidariedade da Paróquia da Imaculada Conceição Guarabira, junto ao Padre Daniel e Irmã Irenice.

Imagem: CPT Equipe Guarabira - PB

Em Campina Grande, 50 famílias assistidas pela Associação das Empregadas Domésticas do município beneficiaram-se com 1 tonelada e 200kg de alimentos doados. “Ficamos felizes com os alimentos bons que recebemos, nos ajuda muito”, disse um migrante venezuelano. Ainda no estado, em Cajazeiras, a equipe da CPT prevê novas doações a partir da primeira semana de janeiro.

Imagem: CPT Equipe Campina Grande - PB

Já no Rio Grande do Norte, no dia 23 dezembro, a CPT na Diocese de Mossoró realizou a distribuição de cestas com produtos da agricultura camponesa e de higiene na comunidade Artur Sabino, no município de Assú, oriunda do Acampamento Coração de Jesus. Foram beneficiadas 70 famílias que se encontram em situação de vulnerabilidade após recente relocação para a área a partir de um acordo extra judicial. As famílias estão construindo suas casas e essa cesta veio em boa hora, garantindo, assim, que celebrem o Natal com um pouco mais de conforto.

Imagem: CPT Equipe Mossoró - RN

Os produtos das cestas camponesas eram variados nos estados da CPT Regional Nordeste 2. Cada comunidade de acampamento ou assentamento partilhou o que tinha nas roças. Feijão, macaxeira, inhame, cará, batata doce, farinha de mandioca, goma fresca, coco seco, ovo caipira, banana, laranja, manga, graviola, coentro, cebolinha, pimentão, pimenta e abacaxi estão entre os alimentos distribuídos, a depender da produção de cada área.

Os frutos da terra chegaram em boa hora para quem está sofrendo com a fome e outras consequências da crise provocada pelo novo coronavírus agravada pela “necropolítica” do governo Bolsonaro. Comunidades que conquistaram a terra e, também, que ainda estão nos acampamentos, inclusive enfrentando o acirramento dos conflitos no campo – como Bota Velha (AL), Fervedouro e Batateiras (PE) – deram exemplo de fé e esperança para um novo tempo.

A iniciativa das doações de alimentos em tempos de pandemia contou com o apoio e a solidariedade internacional de organismos parceiros da CPT, como a Misereor, a Casa do Mundo e a Ação Por um Mundo Unido (AMU). O objetivo foi somar esforços para combater os efeitos da pandemia na região, que agravou a situação de vulnerabilidade de milhares de famílias, e, ao mesmo tempo, incentivar e apoiar a produção das comunidades, demonstrando a importância da produção camponesa para combater a fome na região.