Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 2.jpg
  • 9.jpg
  • 3.jpg
  • 5.jpg
  • 1.jpg
  • 6.jpg
  • 4.jpg
  • 8.jpg
  • 7.jpg
  • 10.jpg
José Borges da Sousa, 45 anos, presidente da cooperativa do assentamento Nova Vida, localizado em Pitimbu, litoral sul da Paraíba, foi executado por três homens encapuzados, na noite da última terça-feira, 30. O assassinato aconteceu dentro do próprio assentamento e foi presenciado moradores do local. De acordo com as testemunhas do assentamento Nova Vida, José Borges da Silva foi assassinado por ter feito denuncias contra uma quadrilha que atuava no trafico de drogas e armamentos, além de roubar agricultores da região. Providencias já estão sendo tomadas para identificar os suspeitos. A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social enviou agentes do Serviço de Inteligência para a área e foram feitos, com ajuda das testemunhas, os retratos falados dos três homens, que estão sendo procurados. A coordenadora da Comissão Pastoral da Terra (CPT), Tânia Maria de Sousa, denunciou que este é o segundo assassinato ocorrido no assentamento este ano. Em janeiro, outro agricultor foi assassinado provavelmente pela mesma quadrilha. Segundo a representante da CPT, na época, o assassinato foi comunicado à delegacia da região, que chegou a prender um integrante da quadrilha. Um dos roubos denunciados por José Borges de Sousa era contra os agricultores que adquiriam empréstimos nos bancos. A quadrilha abordava as pessoas ao chegarem em casa e levavam todo o dinheiro. O clima de tensão e medo continua rondando os agricultores e agricultoras do assentamento Nova Vida, que existe há 11 anos e abriga 132 famílias.