Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 5.jpg
  • 3.jpg
  • 4.jpg
  • 2.jpg
  • 10.jpg
  • 9.jpg
  • 7.jpg
  • 1.jpg
  • 8.jpg
  • 6.jpg

I Encontro Nacional da TEIA dos Povos divulga Carta sinalizando a importância da unidade entre os povos, comunidades tradicionais e aliados em todo Brasil
Por Andressa Zumpano setor de comunicação CPT Nacional| Imagem: Alass Derivas

Entre os dias 5 a 9 de maio ocorreu o I Encontro Nacional da Teia dos Povos, que reuniu delegações das Teias da Bahia, do Maranhão, de São Paulo, Pernambuco, Ceará e Rio Grande do Sul. 

O encontro, que aconteceu no Assentamento Terra Vista, localizado no município de Arataca (BA), apresentando ritualisticas dos povos originários e quilombolas, além de partilhas dos processos de luta e resistência nos territórios. Como resultado, foi elaborada uma Carta da TEIA dos Povos do Brasil, reforçando o compromisso da unidade entre os povos e comunidades tradicionais que compõe a articulação.

"É a ancestralidade que permite firmarmos entre nós os acordos – que vêm do coração – em busca da aliança fincada em princípios inegociáveis. É esta mesma ancestralidade que nos dá força para enfrentar a guerra em defesa das nossas nascentes, nossos rios, nossas florestas, nossas crianças, nossa juventude, nossos mais velhos, nossas sementes, nossa espiritualidade, nosso direito de ser e de existir", cita o documento. 

Confira a carta na íntegra: 

Carta da TEIA dos Povos do Brasil

Do dia 05 ao dia 09 de maio de 2022 aconteceu o I Encontro Nacional das Teias, sob o tema “Tecendo Alianças para Fortalecer Nossas Lutas pelo Bem Viver dos Povos”. Trazendo consigo suas ancestralidades, encantarias, memórias de luta, saberes tradicionais e anseios de  partilha, fizeram-se presentes articuladoras e articuladores de diversas regiões do Brasil em mais um passo na construção da grande aliança preta, indígena e popular tendo como princípios a luta por terra, território e bem viver.

A Teia da Bahia acolheu, durante esses quatro dias, no Assentamento Terra Vista, na cidade de Arataca, no sul da estado, quebradeiras de coco, povos originários, quilombolas, pescadores artesanais, assentados e assentadas, angoleiros e angoleiras, sertanejos e sertanejas, camponeses e camponesas, povo de terreiro e aliadas e aliados, que vieram dos estados do Maranhão, Ceará, Pernambuco, São Paulo, Rondônia, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Nestes dias de Encontro, fortalecemos a relação entre as Teias através dos cantos sagrados, dos tambores, do rezo, da presença dos encantados, das lutas tradicionais, da alimentação saudável, das trocas afetivas e das discussões de horizontes.

Nos últimos anos, o capitalismo com seus diversos atores (agronegócio, mineração, garimpos, narcotráfico, fundamentalismo religioso, Estado) avançaram sobre os territórios tradicionais e as periferias das cidades. Isso, somado à pandemia, provocou um acirramento da violência, com muitas mortes dos nossos. Neste contexto, as Teias sentem a importância de constituir uma articulação rebelde entre os povos pela proteção dos territórios, retomadas, autodemarcação, autodefesa e enfrentamento a todos inimigos que saqueiam há séculos o direito de vivermos de forma digna.

Para isso, a luta por terra e território e a construção da soberania alimentar é diversa e fundamental. Este processo não será pautado pelas leis de quem nos oprime, mas sim pela ancestralidade, que nos nutre e nos ensina que a luta não é de hoje e não terminará amanhã. É este o fundamento que permite sabermos de onde viemos e para onde caminharemos, conectados com nossas comunidades, como mostrou no Encontro os ensinamentos da filosofia do povo Bacongo. É a ancestralidade que permite firmarmos entre nós os acordos – que vêm do coração – em busca da aliança fincada em princípios inegociáveis. É esta mesma ancestralidade que nos dá força para enfrentar a guerra em defesa das nossas nascentes, nossos rios, nossas florestas, nossas crianças, nossa juventude, nossos mais velhos, nossas sementes, nossa espiritualidade, nosso direito de ser e de existir.

Retornaremos aos nossos territórios como sementes e brotando espiritualidade regada pelas práticas tradicionais e agroecológicas para nos enraizarmos em nosso lugar de bem viver. Convocamos todos os povos de Pindorama para estarmos juntos e traçar os fios desta grande teia.

Sempre lembrando que o que nos une é maior do que aquilo que nos separa!

Diga ao povo que avance!

I Encontro Nacional da Teia dos Povos
08 de maio de 2022
Assentamento Terra Vista – Arataca/Bahia