Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 5.jpg
  • 2.jpg
  • 10.jpg
  • 1.jpg
  • 7.jpg
  • 8.jpg
  • 3.jpg
  • 9.jpg
  • 4.jpg
  • 6.jpg

Famílias camponesas de acampamentos acompanhados pela Comissão Pastoral da Terra em Alagoas ocuparam a sede do Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas (Iteral) na manhã de ontem, 30/08, em busca de respostas sobre os encaminhamentos feitos na última audiência com o governador do estado, Renan Filho (MDB) no dia 20/07.

No mês passado, a equipe da CPT e representantes das comunidades chamadas Bota Velha, Santa Cruz e Mumbuca – situadas no município de Murici, zona da mata alagoana – estiveram com o governador no Palácio República dos Palmares para discutir sobre a aquisição das áreas para fins de reforma agrária. As pessoas enfrentam conflitos no campo há mais de 20 anos. Na ocasião, também estiveram em pauta os acampamentos Domingas e Porto de Ostras, localizados em Porto de Pedras, no litoral; e Nossa Senhora de Guadalupe, em Igaci, no agreste.

O governador falou sobre a disponibilidade dos recursos financeiros estaduais para solucionar as demandas. Houve o comprometimento de Renan Filho, por exemplo, em conversar pessoalmente com os ditos proprietários da fazenda Bota Velha sobre a venda do imóvel rural e a possibilidade da aquisição da fazenda Mumbuca foi tratada, por celular, em diálogo com superintendente da Caixa Econômica Federal (CEF).

Para cobrar o cumprimento das promessas, os agricultores e agricultoras do acampamento Nossa Senhora de Guadalupe estiveram na capital, junto às famílias de Bota Velha, Santa Cruz e Mumbuca.

De acordo com a coordenadora da CPT, Heloísa Amaral, o diretor-presidente do Iteral, Jaime Silva, informou que enviou um ofício ao superintendente da CEF sobre a aquisição da área de Mumbuca, porém, o documento precisa ser remetido diretamente do gabinete do governador, visto que a compra será realizada pelo Governo do Estado e não pelo órgão. Assim, o avanço da solução depende de Renan Filho.

Em relação à comunidade Bota Velha, Jaime Silva informou que entrou em contato com o proprietário visando um acordo. Discutiu-se a possibilidade da compra de 250 hectares da fazenda para fins de reforma agrária via estado. Mais uma vez, foi dito que para a resolução definitiva do conflito é preciso que o governador, de fato, se reúna presencialmente com o proprietário.

O Iteral fez o levantamento da área ocupada em Igaci, chamada Nossa Senhora Guadalupe, e constatou, através das certidões, que pertence do governo estadual e, portanto, pode passar pelo processo de reforma agrária através de um decreto.

As famílias retornaram aos acampamentos após a reunião com o diretor-presidente do Iteral. Elas pretendem retornar a cada mês mais mobilizadas até a resolução definitiva das demandas.

“A reunião foi proveitosa. No dia 07 de setembro vamos voltar à Maceió para a marcha do Gritos dos Excluídos. Nos dias 13 e 14 o Iteral vai fazer o cadastro das famílias de Mumbuca e Bota Velha. No final do mês, a gente volta a acampar em Maceió”, disse a camponesa Maria Quitéria Ferreira, da comunidade de Bota Velha.

Lara Tapety (Ascom CPT/AL)

82 996971000

Crédito das fotos: Helciane Angélica/Iteral