Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

A Fetape completou, nesta última quarta-feira (06/06), 50 anos. Isso significa meio século do Movimento Sindical Rural no estado. Durante esse período, muitas foram as mudanças ocorridas em Pernambuco. O desenvolvimento chegou e, com ele, empresas, indústrias, geração de empregos, mas muitas coisas negativas também. O campo vivenciou, assim como a zona urbana, os dois lados dessa moeda. Na luta para minimizar os impactos danosos dessa “evolução” na área rural e por políticas públicas que respeitem a realidade das diferentes regiões e possibilitem que homens e mulheres vivam com dignidade, a Fetape foi fundada e se consagrou como representante legítima dessa grande fatia da população, influenciando diretamente na agenda política do estado.

 

 

 Atualmente, por exemplo, tem reivindicado que as famílias atingidas pela seca sejam atendidas de forma mais ágil pelas ações anunciadas pelos governos Estadual e Federal. Para isso, tem realizado mobilizações e promovido articulações com diferentes setores da sociedade. Em paralelo, assim como em outros períodos da história, cobra ações estruturantes de convivência com o semiárido, para que, no futuro, os problemas vivenciados hoje não se repitam.

 

A Federação tem como filiados Sindicatos de 179 municípios, representando mais de um milhão de trabalhadores e trabalhadoras rurais do estado. Nesses 50 anos, tem  desempenhado um papel central para a ampliação da cidadania dessas pessoas, com uma atuação que vai desde os processos reivindicatórios e propositivos, até o monitoramento da implementação de políticas públicas de competências municipais, estadual e federal. Isso ocorre em todas as frentes de interesses de agricultores familiares, assalariados rurais e assentados da reforma agrária.

 

 

Sobre o processo de reforma agrária, a compreensão da instituição vai para além da questão da democratização da terra, mas faz a leitura de que, junto com isso, é preciso que as famílias tenham acesso a crédito, assistência técnica e infraestrutura social e produtiva nos assentamentos. 

 

 

A Federação é conhecida por ocupar terras, de forma pacífica, para denunciar junto ao poder público e à sociedade o descumprimento da função social em diversos latifúndios improdutivos no Sertão, Agreste e Zona da Mata. A Fetape contabiliza 2.500 famílias acampadas; 16.200 assentadas; e 4.800 beneficiadas pelo Cédula da Terra e Programa de Crédito Fundiário.

 

 

Além dessas proposições diante do Poder Público, a Fetape sempre representou os trabalhadores perante os empregadores privados, buscando o aperfeiçoamento das relações de trabalho. Pela forte atuação nessa área, contribuiu com a construção de 32 convenções coletivas de trabalho dos canavieiros das usinas pernambucanas e 18 na atividade da fruticultura do Vale do São Francisco. E quando os acordos foram difíceis, a Federação liderou os trabalhadores em greves históricas, a exemplo da ocorrida em 1963.

 

 

A incidência política da instituição nas questões ligadas aos assalariados e assalariadas rurais é destaque já desde o histórico “Acordo do Campo” (1963), na primeira administração do governador Miguel Arraes. Nesse período, foi assegurado aos canavieiros e canavieiras o direito ao salário, a condições mais dignas de trabalho e a não sofrer a permanente ação policial para reprimir as suas reivindicações, dentre outras conquistas.

 

 

No campo da agricultura familiar, por meio de mobilizações, a exemplo do Grito da Terra Pernambuco, a instituição tem conquistado uma série de políticas agrícolas de assistência técnica, crédito e comercialização. Tudo isso sem contar o avanço das políticas sociais que atendem à realidade do campo: direitos previdenciários, educação, saúde, habitação rural, entre outras.

 

 

“O mais importante é que, a cada dia, buscamos melhorar o nosso trabalho e reafirmamos o nosso compromisso com um modelo de desenvolvimento que garanta sustentabilidade socioambiental e econômica e qualidade de vida para a população do campo”, afirma o presidente da Fetape, Doriel Barros.

 

 

Para festejar os seus 50 anos, a Fetape está realizando encontros regionais. Na Mata e Agreste, a comemoração ocorreu nos meses de abril e maio, respectivamente. No Sertão,  será no dia 20 de junho, em Serra Talhada. Na programação, estão uma feira da agricultura familiar, atrações culturais, serviços de saúde e emissão de documentos, espaço brincante para crianças, entre outras atividades.

 

Fonte: Fetape