Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

 

Mobilizados pela Fetape e  pelos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais do Sertão, milhares de agricultores e agricultoras familiares ocuparam hoje (10/05), pela manhã, um trecho da BR 232, nas proximidades do Distrito de Cruzeiro do Nordeste, em Sertânia (às 6h), e outro em Serra Talhada (às 7h). Com faixas, bandeiras, queima de pneus, e carro de som, os manifestantes reivindicaram que as medidas anunciadas, tanto pelo Governo do Estado quanto pelo Governo Federal, cheguem o mais rápido possível às famílias que estão sendo castigadas com a estiagem.

 

“Não temos essa característica de ocupar BRs, mas não estamos achando outro caminho para chamar a atenção da sociedade para a grave situação desta região”, explicou o presidente da Fetape, Doriel Barros.

Apesar de provocar quilômetros de congestionamento nos dois trechos da BR232, os atos foram pacíficos. A Polícia Rodoviária Federal acompanhou à distância as manifestações. Nas falas feitas por trabalhadores e trabalhadoras, nos dois locais, foi destacado que se o campo parar, a cidade não come. Também foi lembrado que alguns alimentos essenciais, a exemplo do feijão, já estão com aumento de até mais de 100% por causa da perda da produção em muitas áreas.

“Temos buscado dialogar com os governos, mas apesar do anúncio de várias  ações, elas ainda não chegaram na ponta. Há dispositivos legais que asseguram que num momento como este  os processos burocráticos sejam reduzidos”, declarou Doriel Barros, complementando: “Solicitamos também a presença da sociedade civil nos comitês que estão tratando esses problemas, para que os trabalhadores e trabalhadoras saibam os critérios utilizados em cada medida. Não podemos esquecer que  este é um ano importante, um ano de eleição, então, queremos evitar o uso dessa iniciativas de forma eleitoreira nos municípios”.

Na fala dos dirigentes sindicais, foi possível perceber o lamento e a indignação com o momento vivenciado pelas famílias. “O nosso povo está vendo os seus animais morrerem dentro dos seus cercados. É um desespero só”, descreveu um deles. “Não podemos ser desrespeitados no nosso direito básico de acesso à água”, gritou, outro.

Durante o ato, a Fetape e os Sindicatos contaram com o apoio de parceiros como a CUT, Centro Sabia, Cecor e o gabinete do deputado Manoel Santos. Representantes dos assentamentos do MST, em Serra Talhada, também estiveram presentes. Os dois trechos da BR foram fechados durante duas horas. Em Sertânia, a estrada foi liberada às 8h; já em Serra, o protesto foi finalizado pouco mais de 9h.