Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

Cerca de 50 famílias de trabalhadores rurais sem terra, vindas das periferias, ocupam propriedade rural improdutiva no município de Joao Pessoa/PB. A ocupação foi realizada na madrugada desta última terça-feira, dia 20 de dezembro, por volta das 4hrs da manhã. As famílias ocuparam a área por não terem onde trabalhar e plantar.

A propriedade ocupada possui 147 hectares e está situada às margens do Rio Gramame. Segundo os ocupantes, a área foi transferida para um empreendimento imobiliário, que há oito dias destrói e derruba, com maquinas retroescavadeiras, trator de esteira e motor serra, árvores frutíferas e nativas que fazem parte da Mata Atlântica remanescente na região e que estão localizadas em uma parte da propriedade. Cerca de cem árvores nativas já foram destruídas.

Os agricultores questionam o porquê de os órgão competentes ainda não terem interferido no caso, "ainda mais em um momento tão crítico em que o planeta terra se encontra, com esta crise hídrica e ambiental que vivemos. A maioria dos municípios do nosso estado já declararam calamidade pública por falta de água", comenta agente pastoral da CPT, que acompanha o caso.

Após a ocupação, as famílias iniciaram imediatamente o plantio de dez hectares com sementes de feijão e milho. Estão decididas de resistir até conquistar a terra. A CPT e o Sindicato de Trabalhadores/as Rurais de João Pessoa estão elaborando um documento relatando as destruições provocadas pela empresa e encaminharão aos órgãos competentes, como IBAMA, SUDEMA, INCRA e MPF.


Fonte: Equipe da CPT de João Pessoa