Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

O derramamento de óleo que atingiu a costa brasileira a partir de agosto de 2019 já impactou mais de 40 unidades de conservação marinho-costeiras do Brasil e pode ser comparado ao maior desastre ambiental causado por derramamento de óleo no mundo: a explosão da plataforma Deepwater Horizon, em 2010, no Golfo do México, dizem pesquisadores. Inércia do governo brasileiro em enfrentar a crise agravou problema.

Texto por Cristiane Prizibisczki - ((o))eco 

Imagem: Pedro Pereira - Projeto Conservação Recifal

As análises estão em três artigos publicados na última semana na revista científica americana Science e são assinadas por pesquisadores de instituições de pesquisa do Brasil, Europa e Austrália.

“Os primeiros estudos que saíram sobre o impacto do óleo foram muito subestimados. Eles falavam de 14-15 unidades de conservação impactadas, mas verificamos que esse número passa de 40. São unidades de várias categorias, em áreas de costões rochosos, leitos de algas calcárias, praias, manguezais, estuários marinhos, leitos de algas marinhas e recifes de corais, em um conjunto único de ecossistemas costeiros ainda pouco conhecidos”, explicou a ((o))eco o biólogo Marcelo Soares, que liderou o estudo em questão, intitulado “ Brazil Oil Response: Time for coordination”.

Soares, que é mestre em Ciências Marinhas Tropicais pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e doutor em Geociências pela Universidade Federal do Ro Grande do Sul, explica que outros grandes impactos causados por óleo já foram registrados, porém, em regiões temperadas de países desenvolvidos ou com menor extensão geográfica e alta frequência, como o ocorrido na Nigéria.

Dada sua extensão (mais de 3 mil km), impactos registrados em regiões de grande importância biológica e falta de resposta eficiente do governo em combater a crise, os pesquisadores consideram que o ocorrido no Brasil é o mais extenso e severo desastre ambiental já registrado em oceanos tropicais. A título de comparação, o derramamento de óleo no Golfo do México atingiu 2,1 mil km e contou com resposta imediata do governo americano, o que não foi o caso do Brasil.

 

Bancos de rodolitos

O segundo dos três artigos publicados pela Science, intitulado “Brazil oil spill response: protect rhodolith beds” e liderado pelo professor Paulo Horta, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), soma um novo elemento à lista de impactos registrados no caso brasileiro: o possível impacto nos bancos de rodolitos, ecossistemas marinhos compostos principalmente por algas calcárias presentes no leito do oceano.

No Brasil, os bancos de rodolitos cobrem uma área potencial de 229 mil quilômetros quadrados, e sua contaminação pelo óleo derramado pode comprometer a segurança alimentar das regiões onde estão presentes, já que prejudica a conservação da biodiversidade. Outro problema, de alcance global, é o consequente desequilíbrio na presença de carbono dos oceanos, já que os bancos de rodolitos possuem papel primordial na captura de CO2 da atmosfera.

“A gente pensa que os impactos serão sentidos somente no Brasil, mas os rodolitos capturam carbono, o oceano é um dos maiores sumidouros de carbono que existe. Ao destruir os rodólitos, estamos perdendo essa capacidade de absorção, o que contribui para as mudanças climáticas”, explica Marcelo Soares, que também assina a pesquisa. 

Os artigos “Brazil oil spill response: time for coordination”, “Brazil oil spill response: protect rhodolith beds” e  “Brazil oil spill response: governmet inaction” estão disponíveis na edição de 10 de janeiro da revista Science.