Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

  • 4.jpg
  • 2.jpg
  • 6.jpg
  • 9.jpg
  • 8.jpg
  • 5.jpg
  • 3.jpg
  • 1.jpg
  • 7.jpg
  • 10.jpg

As famílias agricultoras são, por essência, inventivas. Até porque, para conviver com o Semiárido é preciso estar sempre atento às possibilidades que possam melhorar a produtividade, economizar esforços e ter uma produção agroecológica. Assim, inúmeras inovações do campo técnico e organizativo surgem no Semiárido, podendo virar tecnologias sociais e beneficiar outras famílias agricultoras.

Projeto Borborema Agroecológica, que busca fortalecer as capacidades das famílias camponesas para a adaptação às mudanças climáticas - Reprodução/Instagram

 

A fim de espalhar essas tecnologias para outras tantas famílias da Paraíba, do Semiárido brasileiro e até das áreas da América Latina, o polo da Borborema e a AS-PTA Agricultura Familiar e Agroecologia, elaboraram a série audiovisual “Terreiro das inovações camponesas”.

A produção dos vídeos faz parte do Projeto Borborema Agroecológica, que busca fortalecer as capacidades das famílias camponesas para a adaptação às mudanças climáticas, como explica Adriana Galvão, assessora técnica da AS-PTA.

“Temos uma coleção de pequenos vídeos, de 5 a 7 minutos, trazendo como que se faz o uso de determinado produto para controle de pragas e doenças, como se faz um fogão agroecológico, porque utilizar determinada ração ou não, como fazer uma selagem e, dessa forma, conseguimos construir um ambiente bastante positivo ainda que virtual para que eles pudessem se relacionar”, relatou Adriana.

Marizete Alves é agricultora e, através do fundo rotativo, foi beneficiada com o fogão ecológico, que agora auxilia na renda da família, como explica. “O botijão, o gás, está muito caro e a família hoje não está com condições de comprar. Então, eles estão adquirindo o fogão numa forma de minimizar as contas, que são muitas contas para pagar, inclusive muito caras. Eu estou na feira agroecológica e é uma renda para mim. Faço bolo, faço pé de moleque, faço beiju, faço beijo debaixo da farinha. É um meio de vida”.

Entre as experiências disseminadas nos audiovisuais, está o Fundo Rotativo Solidário, um mecanismo que estimula a solidariedade entre as famílias para que a comunidade tenha acesso a equipamentos coletivos e familiares que melhorem suas condições produtivas e de conservação do meio ambiente.

Além desse projeto, a produção de biofertilizantes, cercas vivas de cactáceas e a produção de armadilha para insetos fazem parte do terreiro das inovações camponesas.

Para assistir todos os conteúdos do projeto, acesse o canal da AS-PTA no Youtube.


Fonte: Brasil de Fato