Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

 

A Romaria da Terra de 2018 da Arquidiocese da Paraíba aconteceu neste mês de outubro, no coração da Várzea da Paraíba, entre os municípios de Sapé e Cruz do Espírito Santo. Foi uma grande caminhada, que teve início na comunidade Rainha dos Anjos até a comunidade Dona Helena, passando pelas comunidades João Pedro Teixeira e Vida Nova.

A CPT/João Pessoa, mais uma vez, inclusive pela trigésima vez (30 Romarias nestes 30 anos de trabalho pastoral), soube juntar a “grande família camponesa” da região: agricultores e agricultoras dos assentamentos e de outras comunidades rurais, os amigos e as amigas da cidade, assessores/as e colaboradores/as, pessoas religiosas e militantes sociais, todos apaixonados/as pela terra e pelos trabalhos da CPT.

Estavam presentes José Luiz, Marcos, Luizinho e muitos outros agricultores, profetas de um novo mundo na terra; estavam Tina, Maria José e muitas outras mulheres que geraram seus filhos e filhas no bojo das lutas pela terra. Participaram muitos jovens, moços e moças alegres e barulhentos, apaixonados pela vida no amor, os melhores frutos da luta, os rebentos da Reforma Agrária. Jovens barulhentos porque nasceram no “barulho” e no conflito da luta pela terra!

Estava presente, organizando as simbologias, a jovem agente de pastoral Alane. Estavam presentes: o poeta-cantor João Muniz, o assessor Dorival, a coordenadora Tânia e muitos outros e outras.

Participaram Sônia e Graciete, vindas do Recife, fiéis amigas e admiradoras da CPT/Paraíba.

Destacamos a presença amiga e competente das religiosas Verônica, Albertina e Marlene, consagradas a Deus e ao povo, verdadeiras “mães” dos camponeses e camponesas das nossas comunidades.

Estava presente Padre Penedo, na sua bela negritude, na sua simplicidade evangélica, celebrando no meio do povo e dispensando o lugar de honra e as vestes litúrgicas.

Presidiu a celebração um futuro deputado federal: Frei Anastácio, o grande amigo e incansável apoio desta grande família camponesa e da CPT.

Coube a Rafael Reginaldo, agente de pastoral e militante político, depois de um farto “banquete” oferecido pela comunidade de Dona Helena, celebrar o momento de encerramento da Romaria e enviar para a missão os romeiros e as romeiras, todos e todas abençoados/as por Deus.

A Romaria assumiu e enfrentou de cabeça erguida o momento difícil da política do país. Pairava sobre nós a figura ameaçadora de um “Bolsonaro da vida”, candidato fascista, racista, violento e que se diz a favor da tortura. “A gente vai torturar ele nas urnas, democraticamente!” Pois os romeiros e as romeiras já tinham colocado no peito o adesivo com o nome de Fernando Haddad presidente, que já foi um grande ministro da Educação dos nossos jovens.

E se a história nos destinará, a partir dos próximos dias, um período de “noite escura”, estamos desde já dispostos e preparados a continuarmos a caminhada, na certeza de um novo amanhecer. Lutaremos por mais vida e pela Reforma Agrária. Celebraremos mais e maiores romarias, pois como dizia o nosso arcebispo Dom José Maria Pires “caminhar é preciso”.

 

Paraíba, outubro de 2018                                        

Pe. Hermínio Canova