Comissão Pastoral da Terra Nordeste II

Foi com o tema: “Terra também é poder!” que jovens de sete comunidades da Zona da Mata Norte de Pernambuco participaram da troca de experiências no assentamento Dona Helena, localizado no município de Cruz do Espírito Santo, na Paraíba, no último dia 18 de Julho de 2019. A atividade teve como objetivo possibilitar que Jovens camponeses dessa região pernambucana conhecessem experiências agroecológicas de jovens paraibanos.

Participaram do intercâmbio cerca de 20 jovens oriundos das seguintes comunidades acompanhadas pela CPT na região: comunidade do Una (município de Moreno); comunidades Sirigí, Água Branca e Belo Horizonte (município de Aliança); comunidades Ismael Felipe, Nova Canaã e Chico Mendes (município de Tracunhaém).

O intercâmbio teve início com a partilha da experiência do camponês Rafael Reginaldo, Jovem presidente da Associação dos Agricultores e Agricultoras do Assentamento Dona Helena. Juntamente com outros/as jovens de sua comunidade, Rafael relatou os desafios e as lutas enfrentadas para a conquista da terra onde hoje vivem.

Em seguida, os/as participantes puderam conhecer a parcela do jovem agricultor Lucas Carneiro dos Santos, que trabalha com hortaliças em uma produção orgânica. O jovem Lucas consegue uma renda de até R$300,00 por semana com a comercialização dessas hortaliças em uma feira agroecológica na Associação Eco Várzea, que acontece todas as sextas-feiras no município de Cruz do Espírito Santo. Em sua parcela, Lucas Carneiro ainda mantém lagos com criação de peixes e patos em sistema de mandalas, além de fruteiras e de uma área de proteção ambiental.

Outra experiência conhecida pelos/as jovens pernambucanos/as foi a desenvolvida pelo camponês Marcos Antônio Trajano, permacultor, apicultor e criador de minhocas. Marcos mostrou aos/às jovens um sistema agroflorestal no qual utiliza consórcio de fruteiras, gliricídias e capim para reposição de matéria orgânica e cobertura morta do solo.  O agricultor também mantém uma mata de Sabiazeira, que tem o potencial de produção de aproximadamente cinco mil estacas que podem ser comercializadas por até R$7,00 cada. Além disso, o camponês possui um minhocário onde produz húmus de minhoca que utiliza na própria produção para comercialização. Além dessas experiências, os camponeses e camponesas da Paraíba puderam também mostrar os produtos da Reforma Agrária que beneficiam, como geleia, licor, mel, xerém, farinha de mandioca, pimenta, entre outros.

Após as visitas, os/as participantes do intercâmbio se reuniram na ONG Associação Centro Rural de Formação para conhecer mais profundamente a história de luta das famílias do assentamento Dona Helena. Na ocasião, também debateram sobre a importância do protagonismo jovem na manutenção dos processos da reforma agrária e sobre a necessidade de uma produção agroecológica em contraposição ao modelo do agronegócio.

Para o jovem Albérico da Silva Apolinário, da comunidade Nova Canaã, o intercâmbio foi “uma experiência muito positiva, pois mostrou uma realidade de muito trabalho e esforço para uma qualidade de vida melhor através da agroecologia. Muito emocionante ver que a família inteira está envolvida nas práticas agroecológica. Nesses encontros, temos a oportunidade de partilhar ainda mais conhecimento”. Já para Auda Maria da Silva Pereira, da comunidade Chico Mendes, “a melhor parte foi poder conhecer jovens que têm força de vontade e que estão com entusiasmo e satisfação de viver e de se sustentar através da agricultura, da agroecologia”, ressalta.

 

 

Fonte: CPT Equipe Mata Norte/PE

Imagens: Benoni Codácio